domingo, 9 de março de 2014

Somos iguais...

Estou aprendendo, 
que não existe no mundo 
alguém de maldade pura, 
quando todos somos fecundos... 

Mesmo porque 
não há pureza na maldade 
senão a falta da oportunidade 
à manifestação das virtudes... 

 Para quem sentia-se incapaz 
de exercer o gesto no trabalho, 
em lânguido e mísero poder de mais, 
inseguro se fez caído e sem abraço... 

 Não há no mundo sequer, 
um ser que não tenha 
 carência de amor, 
ladrão, assassino, bandido, 
seja como for... 

 Todos no mundo procuram seu par, 
um pai, uma mãe, um bem-estar 
e feliz de quem teve e tem a sorte, 
ainda que na hora da morte, 
em ultimo instante 
o bom instinto acordar... 

 Não somos letrados, 
nem advogados, 
nem soberanos contra ninguém, 
somos juízes sim, dos nossos atos 
sem direitos a julgamentos 
sobre alguém...